sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

“Retrô 90” do Moai apresenta Andrezinho do Grupo Molejo

AGENDA CULTURAL

O Moai Restobar, casa noturna localizada na Avenida do Turismo, 5625, Tarumã, realiza neste domingo (25), a partir das 16h, mais uma edição do projeto Retrô 90. Desta vez, a casa recebe o músico  Andrezinho do Grupo Molejo, como convidado especial.
O repertório, como a próprio nome do evento diz, é cheio de músicas dos anos 1990 e 2000, época de ouro do pagode. As músicas “Caçamba”, “Brincadeira de Criança”, “Dança da Vassoura”, “Paparico”, “Cilada”, Clínica Geral, “Ah Moleque”, “Samba Diferente”, “Pensamento Verde” e “Assim Oh”, serão algumas das canções que fazem parte do set list do artista.
Andrezinho (foto divulgação)
A abertura do show fica por conta do pagodeiro Du Barranco. Em seguida, a casa recebe o grupo Loka Tentação e ainda vai garotão, Ângelo Márcio, Randerson Couto, D’lírios do Samba e Stylo do Samba como participações especiais. Além de apresentar canções autorais, eles também cantam sucessos de Thiaguinho, Ferrugem, Turma do Pagode, Dilsinho, Sorriso Maroto e outros.
O ingresso custa R$30 preço único. Para quem gosta de pagar menos, nomes na lista vip, disponível nas redes sociais da casa, têm entrada free até 19h. Maiores informações podem ser adquiridas através do número 98117-2827.


Roda de Samba da Timboca apresenta Herlon “Muleke do Banjo”

AGENDA CULTURAL

A roda de samba da Timboca, uma das mais tradicionais rodas de samba de Manaus, apresenta neste domingo (25), a partir das 17h, o cantor e compositor Herlon. ‘Muleke do Banjo’ como é conhecido é ex-integrante do grupo Raça e irá comandar uma noite com muito samba, pagode e muita ginga no pé. O evento também terá a participação de Bruno Silva.
No repertório, grandes clássicos do samba como: “Coração em Desalinho”, “Vai Vadiar”, “Tia Nastácia”, os sucessos consagrados do artista como: “Bom dia Amor”, “Piscar de Olhos”, “Deixa”, “Recomeçar”, e, claro, canções do Grupo Raça, onde fez sua carreira como músico e cantor.
Herlon "Muleke do Banjo" (foto divulgação)
A roda de samba acontece de forma bastante espontânea. O público interage com os artistas nacionais e locais, como também pedem músicas para descontrair com os amigos. Durante o encontro, eles cantam grandes sucessos de Beth Carvalho, Diogo Nogueira, Leci Brandão, Fundo de Quintal, Dona Ivone Lara e outros.
O ingresso custa R$10 e as mesas são liberadas. Homens e mulher têm entrada free até às 18h30. A casa também aceita todos os cartões. Maiores informações: 99128-8274.

SERVIÇO

Quando: Neste domingo25 a partir das 17h
Onde: Rua Alexandre Amorim, 201, Aparecida.
Quanto: 
R$10. Entrada liberada até 18h30
Mais informações: 99128-8274


Muito samba, pagode e entrada liberada na “Meia Noite Acaba”

AGENDA CULTURAL

Para quem curte um bom pagode, gente bonita e cerveja gelada, a Roda de Samba “Meia Noite Acaba” é o destino certo na noite deste sábado (24), a partir das 19h. A festa dedicada aos amantes do ritmo acontece na Avenida Nilton Lins, 3855, Parque das Laranjeiras, em frente ao Posto Shell, sob o comando de Uendel Pinheiro, Jamblacks e convidados.
Uendel Pinheiro (foto divulgação)
“A noite de sábado na nossa roda de samba tem um clima diferente. O astral é de diversão total, alguns dias o clima animado chega ser indescritível”, disse Uendel Pinheiro, cantor de samba e pagode que anima as noites de sábado.
Os pagodeiros que chegarem até às 20h, têm a entrada liberada. Após esse horário, os ingressos passam a custar R$20, preço único. Reservas e informações: 98409-6575.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Defesa de Marcelo Odebrecht apresenta e-mails que diz ser de negociações envolvendo terreno para o Instituto Lula

Os advogados de Marcelo Odebrecht apresentaram nesta quarta-feira (21) 21 e-mails trocados entre o empresário e funcionários da empreiteira que, segundo eles, comprovam a negociação envolvendo a compra do terreno para o Instituto Lula.
As mensagens eletrônicas estavam no computador pessoal de Marcelo e foram selecionadas depois que ele passou a cumprir pena em casa.
Segundo a defesa do empresário, as mensagens reforçam o que Marcelo afirmou na delação premiada a respeito da compra, pela Odebrecht, do terreno que abrigaria a sede do Instituto Lula, em São Paulo, em setembro de 2010. A obra nunca saiu do papel.
Em um desses e-mails, o ex-executivo da Odebrecht Paulo Melo pede que o setor de propinas do grupo programe três pagamentos e solicita que Marcelo os autorize.
Os mesmos valores aparecem na planilha Italiano, relacionados à linha "prédio IL". De acordo com a Lava Jato, Italiano é uma referência ao ex-ministro Antônio Palocci, que admitiu gerenciar pagamentos ilícitos.
Na ação que investiga a compra do terreno, o juiz Sérgio Moro já ouviu as testemunhas de defesa e de acusação e também todos os réus na ação, incluindo o ex-presidente Lula. Não há data para que o juiz dê a sentença do caso.
O advogado do ex-presidente Cristiano Zanin, afirma que, de acordo com a lei, esses novos documentos deverão ser retirados do processo. Para ele, a iniciativa é um factoide.
“Se isso não ocorrer, a defesa de Lula irá questionar a idoneidade do material, além de pedir a reabertura da fase de instrução, para que todas as testemunhas sejam novamente ouvidas”, argumentou por meio de nota oficial.
Segundo a defesa, os e-mails não mudam a “realidade de que Lula jamais solicitou ou recebeu a propriedade ou a posse de qualquer imóvel para o Instituto Lula”.


quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Condenado na Operação Lava Jato, José Dirceu vira réu pela terceira vez

O ex-ministro José Dirceu virou réu em mais uma ação penal oriunda da Operação Lava Jato. Ele já foi condenado duas vezes por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. Somadas, as penas chegam a 41 anos de prisão.
Na terça-feira (20), o juiz federal Sérgio Moro – responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância – aceitou a terceira denúncia contra o ex-ministro, porém, suspendeu a tramitação do processo por um ano.
Neste ação penal, José Dirceu é acusado de receber propina da Engevix e da UTC.
Ao G1, o advogado Roberto Podval, que defende o ex-ministro, afirmou que a decisão de Sérgio Moro foi uma vitória para a defesa.
"Determinar que o processo fique parado por um ano é uma forma de dizer que não tem o menor cabimento", disse o advogado.
Roberto Podval ainda falou que a denúncia foi criada pelo Ministério Público Federal (MPF), no dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou o pedido de habeas corpus de José Dirceu, como uma "forma de intimidar e pressionar".
Novo processo
De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, as propinas eram em decorrência de acertos de corrupção envolvendo contratos da Petrobras, pela ascendência de José Dirceu sobre a Diretoria de Serviços da estatal.
No caso da Engevix, foram R$ 900 mil em pagamentos à Entrelinhas, empresa que prestou serviços de comunicação ao ex-ministro.
Já a UTC pagou R$ 1,5 milhão por supostos serviços de consultoria da empresa de José Dirceu, a JD Consultoria, mas sem nenhum serviço prestado.
Além de José Dirceu, viraram réus na ação o irmão dele Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, o ex-executivo da UTC Walmir Pinheiro Santana, e o ex-executivo da Engevix Gerson Almada.
O G1 também tenta contato com os advogados dos demais réus.
Luiz Eduardo de Oliveira e Silva foi preso no dia 9 de fevereiro, em Ribeirão Preto (SP), por condenação em segunda instância relacionada a outro processo da Operação Lava Jato.
Denúncia contra Vaccari é rejeitada
Sérgio Moro rejeitou a denúncia contra o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto.
O juiz entendeu que os fundamentos da denúncia eram os mesmos que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) considerou insuficientes em outras ações, em que Vaccari acabou absolvido. Assim, Sérgio Moro disse respeitar o precedente da Corte.
Tramitação suspensa
Como todos os réus já foram condenados em outras ações, após receber a denúncia, Sérgio Moro suspendeu a tramitação deste processo por um ano, para resolver antes os casos em que ainda há réus sem nenhuma condenação.
Portanto, as audiências relacionadas à esta ação penal devem ser realizadas em 2019.
José Dirceu na Lava Jato
O ex-ministro foi preso pela Lava Jato em agosto de 2015, na 17ª fase da operação, batizada de "Pixuleco".
José Dirceu já havia sido condenado no processo do mensalão do PT por corrupção ativa. Ele cumpria, desde novembro de 2014, a pena de 7 anos e 11 meses em regime domiciliar.
Em maio do ano passado, Sérgio Moro determinou que o ex-minstro deixasse a prisão com tornozeleira eletrônica. Até então, José Dirceu estava preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.
Na primeira condenação em primeira instância pela Lava Jato, o ex-ministro foi sentenciado a 20 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O TRF4 confirmou essa condenção e aumentou a pena para 30 anos, 9 meses e 10 dias.

A segunda sentença de Sérgio Moro contra José Dirceu na Lava Jato é de março de 2017, com pena de 11 anos e três meses de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Esta condenação ainda não passou pelo TRF4.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Em meio à busca por novo ministro, Temer discute medidas de segurança pública com Alexandre de Moraes

O presidente Michel Temer se reuniu na noite desta segunda-feira (19), no Palácio do Planalto, com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para discutir a crise de segurança pública no país.
Segundo o blog apurou, o ministro foi sugerir ao presidente alterações legislativas, administrativas e medidas operacionais para tentar equacionar a crise na segurança pública.
A conversa ocorre em meio à busca de Temer por um nome para o novo ministério de Segurança Pública. O presidente tem discutido o assunto com os seus aliados e conselheiros nos últimos dias, mas ainda não bateu o martelo sobre o perfil do novo titular da pasta - que cuidará da Polícia Federal.
Antes do STF, Moraes foi ministro da Justiça no governo Temer. Também foi secretário de segurança pública do governo de São Paulo, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB).
O ministro preside hoje a comissão de juristas que discute um anteprojeto de lei sobre combate ao tráfico de drogas e armas no país.
Segundo assessores do presidente, Temer irá a São Paulo nesta terça-feira (20) para fazer novas consultas com seus conselheiros sobre o nome para o ministério da Segurança Pública.
O presidente costuma aproveitar suas idas à capital paulista para conversar com o advogado Antonio Claudio Mariz.
Mariz, inclusive, foi cotado para o ministério da Justiça de Temer em 2017, mas o presidente desistiu da indicação após o advogado ter criticado publicamente a Lava Jato.


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Moai celebra o domingo com muito samba e pagode


AGENDA CULTURAL

O grupo Free Lance é a atração deste domingo (18), no Moai Restobar, localizado na Avenida do Turismo, nº 5625, Tarumã. O quarteto se apresenta na casa e promete muito pagode, para animar o ultimo fim de semana de fevereiro. No evento que acontece a partir das 16h, ainda se apresentam Ângelo Márcio, D’ Samba, Herlon do Banjo e Bruno Mocidade. O intervalo dos músicos fica por conta do DJ Leiru que assume o comando da pista de dança.
Ângelo Márcio (foto)
De acordo com um dos organizadores do evento, Márcio Alexandre, as bandas prepararam um repertório especial para o público do Moai. “Será uma noite de domingo bem interativa, com shows recheados de samba e pagode, pra cima e bem animados”, adiantou.
Os ingressos estão no valor de R$30 (preço único). Há ainda a famosa “Lista Vip”, para ter acesso, basta colocar o nome na lista disponível nas redes sociais do evento. Basta acessar as redes sociais da casa.  Com nomes na lista, homens e mulheres têm entrada free até às 19h. Maiores informações: 98117-2827.