quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

sábado, 8 de dezembro de 2018

Uendel Pinheiro e Jean Marius são as atrações deste domingo na Timboca


AGENDA CULTURAL 

Neste domingo (9), a partir das 17h, a roda de samba da Timboca, localizada na Rua Alexandre Amorim, 201, no bairro de Aparecida, recebe Jean Marius e Uendel Pinheiro. Os convidados serão recebidos pelo Samba da Timboca e irão se juntar para relembrar os samba de raiz, samba de partido alto, gafieira, samba de roda e aquele pagodinho.
Uendel Pinheiro (foto divulgação)
A casa que sempre recebe convidados especiais, já contou com a presença do Chico d Silva, Júnior Rodrigues e Ciganerey, entre outros. Então se prepara que a festa vai ser boa! E se liga nessa! Em virtude da "Timboca Solidária", de 17h até às 19h a entrada é 1kg de alimento não perecível ou brinquedos. Após esse horário, os ingressos passam a custar R$10, preço único. Maiores informações: 99128-8274. 


A festa “Fica Comigo” embala “No Caminho Eu Te Conto” neste domingo

AGENDA CULTURAL
Uma noite de samba e pagode é a promessa da festa "Fica Comigo", que acontece neste domingo (9), na Roda de Samba “No Caminho Eu Te Conto”, (Avenida Castelo Branco, 373, Cachoerinha). O evento, que começa a partir das 18h, será comandado pelos grupos Loka Tentação e Vem K Sambar. Além disso, a DJ Rafa Militão trará a batida do funk carioca para o público presente.
A primeira edição da festa “Fica Comigo” promete espalhar alegria e animação através de um repertório que une músicas de grupos como Exaltasamba, Raça Negra, Molejo, Turma do Pagode, Art Popular, Revelação, Fundo de Quintal entre outros.
Loka Tentação (foto divulgação)
Mulheres têm acesso liberado durante todo o evento. Homens apenas até às 20h. Após esse horário, os ingressos para eles passam a custar R$ 10. Informações podem ser obtidas pelo telefone: 98407-1407. 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

“Amor eu vou dormir” agita o centro da cidade neste sábado


A Roda de Samba “Amor Eu Vou Dormir” (Avenida Japurá, 676, Centro) promete “incendiar” o centro de Manaus. A festa que acontece neste sábado (8), a partir das 21h, será composta pelo grupo Cacildis, além dos anfitriões da casa, o grupo Vem K Sambar (VKS).
Grupo Cacildis (foto divulgação)
No repertório dos grupos, canções de Ases do Pagode, Dilsinho, Imaginasamba, Revelação, Turma do Pagode, Vou pro Sereno, além de canções autorais do VKS. Os intervalos contam a participação da DJ Rafa Militão com o melhor do funk carioca. 
Vale lembrar que para ter acesso livre, a mulherada precisa chegar até às 22h. Durante a festa, os baldes de Skol serão vendidos por R$30 enquanto durar o estoque. Os ingressos custam R$15 e os primeiros pagantes ganham um copo exclusivo do evento. Reservas e informações: 98407-1407. 

"Meia Noite Acaba" recebe Prata Filho e Samba de Quintal


Neste sábado (8), a partir das 19h, a roda de samba “Meia Noite Acaba” recebe pela primeira vez o cantor Prata Filho e o grupo Samba de Quintal fazendo o melhor do samba e pagode. Durante os intervalos, o DJ Luan Guedes assume o comando da pick up com os hits do funk carioca.
Prata Filho (foto divulgação)
A roda de samba “Meia Noite Acaba” está localizada Avenida Nilton Lins 3855, Parque das Laranjeiras, em frente ao Posto Shell. Os ingressos custam R$20, mas a entrada é liberada para homens e mulheres até às 20h. Maiores informações podem ser obtidas através do telefone 98409-6575.

A “Sexta Mix” do Coronel tem Samba Autêntico, Uendel Pinheiro e Gang do Forró


A “Sexta mix” do Pagode do Coronel (Avenida Japurá, 676, Centro) promete ser um sucesso. Nesta sexta (7), a casa abre suas portas para receber o grupo Samba Autêntico que divide o palco com o músico Uendel Pinheiro, num show que começa às 21h, com o ingresso custando R$ 15 (por pessoa).
A terceira atração a se apresentar será a banda Gang do Forró que preparou um repertório contagiante com muito pé de serra e suas influências, com letras e melodias que transmitem o cotidiano local com muita alegria!
Gang do Forró e Uendel Pinheiro
As atrações prometem uma mistura de ritmos para agradar a todos os gostos. “O público poderá curtir uma noite dançante com o melhor do pagode e do forró em suas diversas vertentes. Tudo isso com entrada gratuita para as mulheres até às 23h”, afirma um dos organizadores do evento, Onércio Torres.
O Pagode do Coronel oferece ampla estrutura com estacionamento, segurança e internet Wi-Fi liberada. Outras informações através do telefone: (92) 99165-3111.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Ao justificar prisão de Pezão, Dodge diz que esquema criminoso no Rio de Janeiro 'não cessou'


A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou nesta quinta-feira (29) que havia "infrações criminosas muito graves" ocorrendo no Rio de Janeiro ao justificar a prisão do governador do estado, Luiz Fernando Pezão (MDB). O vice-governador, Francisco Dornelles, assumirá o governo interinamente.
Pezão foi preso por volta das 6h no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado. Além do governador, outras seis pessoas foram presas na operação batizada de Boca de Lobo, entre elas os secretários de Obras, Iran Peixoto Júnior, e de Governo, Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz, e o sobrinho do governador, Marcelo Santos Amorim. Até as 13h30, dois mandados de prisão ainda não haviam sido cumpridos.
Dodge explicou que embora as investigações sejam realizadas há algum tempo, as prisões foram necessárias porque crimes como o de organização criminosa e lavagem de dinheiro ainda estão em curso.
"Um dos crimes em curso é o de organização criminosa, continua atuando e especialmente à lavagem de dinheiro. A lavagem é o crime que se pratica após a corrupção e que consiste em ocultar onde o dinheiro está. Pelas informações, continua a ser feito", disse a procuradora.
A procuradora-geral da República afirmou que o crime de lavagem de dinheiro é "igualmente grave" porque, "se o dinheiro desviado pela corrupção continua na posse de quem desviou, o patrimônio publico terá dificuldade em ser recomposto".
Dodge ressaltou que "o esquema criminoso" que atua no Rio de Janeiro se instalou "em diversas unidades públicas do estado". Ela disse ainda que "muitos já estão condenados e presos, mas percebeu-se que este esquema criminoso ainda não cessou".
"E é por essa razão, os infratores ainda praticarem esse crime, que chegou-se a necessidade de requerer prisão preventiva para a garantida da ordem pública", disse a PGR.
Segundo a investigação, os valores que teriam sido recebidos por Pezão são “incompatíveis com a renda declarada dele” e “seguem ocultos”. Por isso, a prisão preventiva do governador foi decretada.
Ele foi levado para a sede da PF no Rio. De lá, Pezão deve ser transferido para a unidade prisional da PM em Niterói, onde também está detido o ex-procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Claudio Lopes.
O Ministério Público afirma que esses recursos teriam origem em duas fontes principais: a mesada paga pelo delator Carlos Miranda e contratos de serviços públicos com o governo estadual, principalmente na área de transporte.
Carlos Miranda detalhou o pagamento de mesada de R$ 150 mil para Pezão na época em que ele era vice do então governador Sérgio Cabral. Também houve, segundo a delação, pagamento de 13º de propina e ainda dois bônus de R$ 1 milhão como prêmio.

Sucessão de Cabral

O procurador-regional da República Leonardo Cardoso de Freitas, que atua no Rio de Janeiro, explicou que Pezão sucedeu no esquema de corrupção ao ex-governador Sérgio Cabral, que também está preso.
“Há dois anos, na prisão do Sérgio Cabral, nos perguntaram: 'E o Pezão?' Não esquecemos e estamos aqui hoje para responder. O que se verificou é que a organização criminosa do Sérgio Cabral se reinventou com uma sucessão de pessoas. Assim, o Sérgio Cabral foi sucedido por Pezão; Wilson Carlos [ex-secretário de Governo do Cabral] foi sucedido pelo [secretário de Governo] Affonso [Monnerat], também condenado na Calicute, também preso na Furna da Onça e que agora é alvo de um novo mandado. O secretário de Obras também foi sucedido pelo José Iran”, afirmou.
Sobre a prisão de Pezão a um mês do fim do mandato, Freitas argumentou que os pedidos de prisão foram formulados “no primeiro momento possível” e que o tempo do Judiciário não se pauta pela agenda política.
Segundo Leonardo Cardoso de Freitas, além da delação de Carlos Miranda, um "quadro robusto" de provas foi colhido para a realização da operação de hoje. O procurador destacou bilhetes que faziam menção ao nome de Pezão em pagamentos de propina e que foram apreendidos há dois anos no apartamento de Luiz Carlos Bezerra, apontado como um dos operadores de Sérgio Cabral.
A procuradora Raquel Branquinho, que coordena as investigações penais na PGR, disse que há elementos que apontam que os pagamentos continuaram a ser feitos mesmo após o Pezão ter assumido o governo.

Fonte: G1